segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Reflexões megafônicas

Deliquentes agita o Megafônica, em registro de Ricardo D'Almeida

Nem Johny Rockstar, nem Destruidores de Tóquio, nem Blacking Drawing Chalks. A banda de rock que roubou a cena no festival Megafônica, realizado no final do mês passado em Belém, foi a de hardcore Delinqüentes.

Certamente, nenhuma outra banda empolgou tanto quanto eles. Muitas bandas deixaram a desejar em shows mornos.

Até senti boas energias quando circulei pelos palcos enquanto Felipe Cordeiro e o Coletivo Floresta Sonora estavam tocando, mas não rolou a mesma energia empolgante. A banda de reggae do Amazonas Cabocrioulo me pareceu competente, além de ter um som muito simpático. Mas, mesmo que não gostasse de uma pancada na moleira, como diz Giovani Villacorta, não deixaria me empolgar com a performance de Jayme Katarro e Cia.

E certamente não divido essa opinião com poucas pessoas. Todos que estavam lá viram. Depois dos Delinqüentes, os Black Drawing Chalks poderiam se degolar em cima do palco e eles não conseguiriam superar a performance da banda paraense.

Performance ainda mais chocante pela presença de João e Daniel da banda Sincera, que subiram ao palco para tocar “Vagamundo”. Um diabo, um exu ou o Divino Espírito Santo baixou ali naquela hora. Depois disso, e depois do papo que rolara na tarde anterior, quando Leonardo Salazar e Pablo Capilé “confrontaram” idéias, só Jayme Katarro e Daniel exorcizando seus demônios para proporcionar algum alívio.

Sem dúvida a banda protagonizou o momento musical mais importante do festival. Destruidores de Tóquio e Jonhy Rockstar em dias diferentes não fizeram shows ruins, mas não apresentaram nada de novo.

Mas é preciso destacar que o festival foi bem organizado - pelo menos pelo que se podia ver da platéia. A performance de Andro e Raul Bentes apresentando no segundo dia foi muito boa.

É verdade que o primeiro dia demorou mais a engrenar. A luz dura na cara de quem tocou no palco de entrada do ex-Espaço Cultural Cidade Velha não ajudou. De qualquer forma, a organização foi acima da média da performance de muitas bandas.

OBS: O registro chega atrasado pelo volume de trabalho que se acumula, mas vale a pena.

4 comentários:

Anônimo disse...

Bate e assopra.

Mostra a tua verdadeira cara, cara de pau.

Tylon Msués disse...

Nicolau, seu cara de pau!

Rimou, hein? Dá pra usar num refrão de hardcore.

Jayme disse...

Ué. Um anonimo pedindo pro autor de uma matéria assinada mostrar sua cara? vai entender esse povo...

Nicolau Amador disse...

caras, voces não entendem como esse rapaz tenta me infernizar a vida. já tenho uma coleção de comentarios dele guardada na minha caixa, sem publicar. ja o denunciei a policia federal por alguns dos comentários caluniosos dele. mas assim como não pretendo me "trocar" com mais ninguém, também não vou mais considerar esses coments. fique a vontade pra xingar, meu amigo, mas não se mate de inveja, ok?! tem espaço pra todo mundo. o bom, pra vc, é que ate o final do ano esse blog deve acabar e as melhores reportagens e polemicas vão estar editadas num livro bem editado. quem sabe voce não ganha uma pagina nele, hein?

abraços.