terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Pela noite: (bits) achados e (bytes) perdidos

Os caras do 16-Bits tiveram mais sorte que eu. Tinha pouca gente no Grito mas pelo menos não tinha flanelinha ladrão

Pois é. Hoje é terça-feira e eu sobrevivi. Era pra cobrir no final de semana o Grito Rock, mas tinha tão pouca gente na sexta-feira lá no Afrikan Bar que não deu pra ficar. Tive tempo de me surpreender com o som da banda 16 Bits, de Novo Repartimento. Você sabe onde fica Novo Repartimento?! Ela é conhecida como a Princesinha da Transamazônica e fica a mais de 700 quilômetros de Belém. Demora mais de 12 horas de viagem de ônibus para chegar na capital. Eu já passei por lá algumas vezes a caminho de Pacajá ou de Brasil Novo. Não dá vontade de parar. Mas foi de lá que Homer Serejo, 20 anos, saiu fazendo uma mistura ultramoderna de indie, grunge e electro rock, segundo a definição dele mesmo. Entre as influências ele citou bandas como Metronomy, Crystals Castles e No Age. Filho de nordestinos que se mudaram para o Pará na esperança de uma vida melhor, hoje Serejo canta (além das músicas próprias) covers em inglês com pose de guitarrista indie britânico, e não decepciona nem nas melodias nem nas pronuncias.
A adversidade ajudou a moldar o som. "Não tem ninguém que faz um som como a gente lá. Não tinha baterista, então, a gente começou a usar as programações para ensaiar, meio que como um quebra galho. Como não arranjamos mesmo um batera o computador foi ajudando a definir o som da banda", explica.
No final, a internet e a Prefeitura ajudaram a banda a ganhar o mundo. Através da rede se inscreveram e foram selecionados para as seletivas do Se Rasgum, depois se inscreveram nas seletivas do Grito Rock e passaram. "Se não fosse a prefeitura pagar as nossas passagens a gente não tinha como chegar aqui. E a internet sempre foi mais ou menos mas dá pra gente se manter atualizado. A gente quer muito mais. Somos pequenos mas pensamos grande", avisou.
(Imagina com o Navegapará o que mais pode sair do interior do Pará!).
E e foi quase tudo, além do início do show do Nego Bode, que pude aproveitar do Grito Rock. Lily e Karina queriam diversão, e o Grito não oferecia muito disso aparentemente. Na missão de descobrir um lugar legal para fazer uma festa em março, elas e eu, mais o Sidão, seguimos para o Bar do Ìndio, onde a Black Soul Samba agitava os esqueletos. Diversão garantida e o jogo ganho por um terço do custo.
Mas o barato saiu caro. A malandragem do Beco do Leão arrombou meu carro e levou nada mais nada menos que meu notebook com arquivos e trabalho de anos acumulado. Mais uma vez vítima de uma violência. Quando a gente é vitima de uma violência a gente sente vontade de revidar. Mas me contive. O bacana que me robou circula pela Cidade Velha até hoje, que eu saiba.
Faz-me um grande favor. Se oferecerem um Sony Vaio prateado com adesivos (entre eles do Sonic Youth e da MM Produções) me liga, vais me safar e poupar um monte de problema. Vais salvar o primeiro capítulo do meu livro e poemas inéditos, por exemplo, além de registros da música paraense muito importantes. Manda um email: nicobates@gmail.com.
Pois é, eu também tenho esse lado gonzo. E foi assim que eu antecipei meu descanso e não voltei ao Grito Rock no dia seguinte. Mas, fiquem tranquilos, continuamos trabalhando. Agora com mais vontade.

_________________________________________________
Atenção: Por causa deste post a entrevista com Marcelo Kawage fica pra amanhã. Enquanto isso confira entrevista que Sidão fez no blog dele, o Rock Pará.

7 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nicolau Amador disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Só comentário excluído, você deve ser legalzão.

sinev disse...

Tomara que consigas recuperar o lap top. Abração.Renato Neves

Nicolau Amador disse...

Ao anonimo das 13:59:
Os comentários eram de uma ex-namorada que fez uma brincadeira sobre a probabilidade de existirem fotos intimas no meu notebook. eu a tranquilizei dizendo que apaguei as fotos tão logo nos separamos. como eu fizesse uma brincadeira, ela pediu para excluir os comentários e preservar sua identidade. como tive algumas namoradas, acho que a identidade dela esta preservada ate onde me pode ser possivel.
abs.

Homer Serejo disse...

Valeu Nicolau, gostei muito da sua definição para a 16-Bits!

Para quem quiser ouvir mais da 16-Bits entra aí no myspace: www.myspace.com/16bitsrock

Nicolau Amador disse...

Valeu, garoto! Boa sorte e sucesso pra banda.
Abs.